[49] 3361.3737 | falecom@grandesvalores.com.br

Alceu Kuhn: A Emergência da Inclusão

 

Alceu Kuhn: A Emergência da Inclusão

Foto: Rodrigo Scandolara

Fundador da ADEVOSC, Alceu Kuhn crê no conhecimento como ferramenta primordial de inclusão.

Fundador da Associação de Deficientes Visuais do Oeste de Santa Catarina – ADEVOSC, Alceu Kuhn crê na difusão do conhecimento como ferramenta primordial de inserção. Apaixonado pela evolução profissional, Alceu participa ativamente da militância em prol da inclusão e capacitação de pessoas com deficiência visual.

Natural de Saudades (SC), Alceu é cego desde o nascimento, que ocorreu em 02 de Fevereiro de 1971. Dono de um almanaque de boas lembranças, o aposentado relata a própria infância com felicidade: “Subia em árvores, andava de bicicleta, brincava com meus primos”, relembra. Matriculado no instituto Santa Luzia (ISL) aos sete anos de idade, Alceu mudou-se para Porto Alegre (RS): “Foi um divisor de águas. Além de adquirir meus conhecimentos básicos, tive também a convivência com meus pares, onde apesar de todas as dificuldades, o processo de aprendizagem, o crescimento como pessoa, foram muito importantes.”, conta. Ministrado pelas Irmãs Filhas da Caridade, o Instituto Santa Luzia é uma escola católica integral que atende alunos com deficiência visual.

A iniciativa tomada pela família rendeu um novo círculo de amigos. No Instituto, Alceu conviveu com crianças cegas e de baixa visão vindas de todos os estados do Brasil: “Vale destacar que o fato da cegueira era o que menos importava, éramos pessoas em busca de conhecimento, formação e com projetos de vida, carreira profissional, autonomia, independência, entre outros.”, menciona Alceu.

Ao final de 1986, Alceu voltou à cidade natal. Cursando o Ensino Médio, mudou-se para Chapecó dois anos após, em 1988. Em 01 de março de 1989, em Chapecó, o jovem deu início à carreira profissional. Funcionário da Prefeitura Municipal, Alceu exerceu a função de bibliotecário Responsável pelo Setor de Educação Especial na Biblioteca Municipal Neiva Maria Andreatta Costela. No ano seguinte, prestou concurso público e passou a atuar como Técnico de Administração.

Alceu Kuhn: A Emergência da Inclusão

Foto: Rodrigo Scandolara

Fundada por Alceu em 16 de Outubro de 1993, a Associação de Deficientes Visuais do Oeste de Santa Catarina – ADEVOSC iniciou aos poucos, ocupando um pequeno espaço na Sede da Prefeitura: “Era um desejo não só meu, mas de um grupo de pessoas cegas e seus familiares.”, destaca. Com o objetivo de representar, habilitar e reabilitar pessoas com pouca ou nenhuma visão, a ADEVOSC cresceu gradualmente. Atualmente, a Associação possui endereço fixo e sede própria: “É gratificante ter plantado uma semente que hoje continua frutificando, com novos atores, usuários, profissionais. Com certeza faria tudo novamente, porque, realmente valeu a pena.”, conta Alceu.

Desde muito novo, Alceu nutriu um gigantesco interesse pelo trabalho. Ao longo de sua carreira realizou concursos, envolveu-se com a produção de materiais em Braille e atuou ativamente na militância pelos direitos das pessoas com deficiência em Conselhos de Políticas Públicas, entre eles: Conselho Municipal de Assistência Social de Chapecó – CMAS, Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência – COMDE/Chapecó, Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência – CONEDE/SC, Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS, Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência – CONADE, Conselho Nacional de Saúde – CNS, Comissão Brasileira do Braille – CBB e Associação Brasileira de Educadores de Deficientes Visuais – ABEDEV. Em 2003, Alceu foi o incentivador da criação do Núcleo de Apoio Pedagógico e Produção Braille – NAPPB/Chapecó.

Ao longo da carreira profissional, Alceu sofreu discriminação e preconceito. Tais situações o incentivaram ainda mais na busca pelos próprios direitos: “Antes de sermos pessoas com deficiência, somos pessoas, cidadãos.”, frisa Alceu. Apesar das dificuldades, o funcionário público aposentado declara felicidade e contentamento, narrando boas lembranças com avidez: “Os 30 anos de vida pública renderam muitas alegrias, vivi muitas emoções”.

Atualmente, Alceu desempenha o papel de Diretor de Administração e Finanças da Organização Nacional de Cegos do Brasil – ONCB e possui uma Microempresa voltada à produção de materiais em Braille, cursos e palestras direcionados a pessoas com deficiência visual. Sobre a trajetória percorrida até aqui, Alceu demonstra-se orgulhoso, porém inquieto: “Difícil expressar em uma palavra, sentimento. Mas se posso dizer, realização, desprendimento, satisfação, no dever cumprido, porém não finalizado. Sempre temos algo a mais a fazer, seguir novos rumos, fazer outras coisas.”, finaliza.

Compartilhar

Deixar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *